logotipo

Publicações

ROCHA, Helenice, MARTINS, Ismênia de Lima; MORAES, Luis Edmundo e CONTIJO, REBECA. (ORGs.) Identidades, memórias e projetos políticos.

Rio de Janeiro, FGV, 2016.

“O que poderia haver de comum entre a invisibilidade política dos índios no século XIX pernambucano, o carnaval crioulo dos cucumbis, no Rio de Janeiro, e a afirmação identitária dos quilombolas de Morro Alto, no Rio Grande do Sul? Temas aparentemente distintos, no tempo e no espaço, mas que se articulam em torno de questões candentes e atuais: a construção – ou a desconstrução – de identidades, o exercício permanente da memória, sempre mutante em suas variadas inflexões, e a elaboração de projetos políticos em luta pela conquista de espaços de reconhecimento.”

 

ROCHA, Helenice, MAGALHÃES, Marcelo e CONTIJO, REBECA.
Ensino de história em questão: cultura histórica e usos do passado.

Rio de Janeiro, FGV, 2015.

Este livro oferece uma articulação entre os estudos sobre ensino escolar de história e aqueles que focalizam a cultura histórica ou as possibilidades da história para além do espaço escolar. A obra é resultado do “Ciclo de debates Oficinas de História”, com a presença de pesquisadores convidados de diversas partes do Brasil. Para os debates foram escolhidos alguns dos temas candentes e mobilizadores de, por um lado, historiadores e, por outro, educadores que tratam do ensino de história.

 

 

ROCHA, Helenice; MAGALHÃES, Marcelo; RIBEIRO, Jaime; CIAMBARELLA, Alessandra (Org.). Ensino de História: usos do passado, memória e mídia.


Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2014

“O objetivo deste livro é promover um diálogo produtivo entre discussões da historiografia e do ensino de história, elaborando de forma reflexiva as fronteiras entre campos de pesquisa e reafirmando as relações constitutivas entre o mundo acadêmico e o escolar no ensino de história. O livro propõe, ainda, a afirmação dessa interlocução com a reunião de textos de pesquisadores de campos diversos, que pensam usos sociais do passado na história pública, aquela que se produz no espaço social mais amplo que o da academia, voltada para o público em geral ou segmentos desse público, como o escolar. […]
Esperamos que o livro propicie momentos de reflexão e, sobretudo, contribua para a transformação de nossas práticas, no âmbito acadêmico e escolar. Por entender que a própria concepção de ensino deve ser constantemente questionada e repensada, ressaltamos que não existe um único caminho a seguir, mas muitas alternativas a serem consideradas nas possíveis relações entre o passado e o presente.”

 

GONÇALVES, Marcia de A.; ROCHA, Helenice Ap. de B.; RESNIK, Luís; MONTEIRO, Ana M. F. da C. (Org.) Qual o valor da história hoje?

Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012.

“Neste livro, a escola é tratada como espaço privilegiado de reflexões sobre o valor plural da história – que se constitui, em cada tempo e lugar, de acordo com as expectativas e apreensões dos indivíduos, em suas relações sociais. Sobretudo, os autores enfrentam, de forma crítica, o dilema ético: qual o papel do ensino de história na formação dos sujeitos contemporâneos?”

 

SILVA, Cristiani Bereta da. Educar para a nação: cultura política, nacionalização e ensino de história nas décadas de 1930 e 1940.

1. ed. Curitiba: CRV, 2014.

A preocupação com a formação do “espírito nacional”, a centralidade da unidade nacional nos discursos, a pretensa homogeneização cultural são chaves de leitura importantes para se compreender as políticas educacionais e o ensino de História no período, e são temas enfrentados pelos autores e autoras que participam desse livro.

Capítulos de livros:
SILVA, Cristiani Bereta da. ‘O Brasil mergulhou em sua história’: a revista Veja e os debates sobre a História e seu ensino nas décadas de 1980 e 1990. In: Reinaldo Lindolfo Lohn. (Org.). História nas bancas de revistas. Um país impresso: entre representações sociais e culturas políticas. 1ed.Ponta Grossa: Todapalavra, 2016,  p. 49-77.

SILVA, Cristiani Bereta da. Formação histórica e narrativas: efeitos de sentido sobre o ensino de história e o espaço escolar no estágio supervisionado. In: Helenice Rocha; Marcelo Magalhães, Rebeca Gontijo. (Org.). O ensino de história em questão: cultura histórica, usos do passado. 1ed.Rio de Janeiro: FGV, 2015, p. 163-182.

Artigos:
SILVA, Cristiani Bereta da. Autores, textos e leitores: diferentes formas de narrar o “tempo dos exames de admissão ao ginásio” (1950-1970). História Oral, v. 19, p. 81-114, 2016. Disponível em: http://revista.historiaoral.org.br/index.php?journal=rho&page=article&op=view&path%5B%5D=631&path%5B%5D=pdf. Acesso em 11 ago. 2016.
SILVA, Cristiani Bereta da. Narrativas digitais sobre os exames de admissão ao ginásio: ego-documentos e cultura escrita na história do tempo presente. Tempo e Argumento, v. 7, p. 5-41, 2015. Disponível em: http://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180307152015005/4659. Acesso em: 22 fev.2016.

SILVA, Cristiani Bereta daCUNHA, M. T. S. . Historiografia catarinense e a escrita da História escolar de Lucas Alexandre Boiteux no início do século XX. Cadernos de História da Educação (Online), v. 14, n.2, p. 551-568, 2015. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/che/article/view/32524/17820. Acesso: 01 dez.2016.

SILVA, Cristiani Bereta da. Nação, região e a unidade nacional uma leitura baseada em dois livros didáticos de história publicados na Primeira República. Revista Brasileira de Educação (Impresso), v. 19, p. 349-374, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v19n57/v19n57a05.pdf. Acesso: 01 dez.2016.

 

FERREIRA, Marieta de Moraes de. FRANCO, Renato.

Aprendendo História: Reflexão e Ensino. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011.

Como ensinar história? Essa pequena pergunta esconde uma série de desafios que não são resolvidos por fórmulas mágicas. Porém, a partir da compreensão sobre o que é o conhecimento histórico, suas origens e tendências, o professor pode transformar teoria em prática.

Os autores deste livro procuraram fornecer subsídios teóricos e metodológicos para que professores se tornem aptos a discutir a História como uma disciplina viva e fascinante.


FERREIRA, Marieta de Moraes de. Memória e Identidade Nacional.

Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. 

História e memória desempenham papel fundamental no processo de construção das identidades nacionais. Os textos desta coletânea tratam das multifacetadas relações entre ensino de história, políticas públicas e discursos históricos.

Em concordância com os atuais debates historiográficos brasileiros, Memória e identidade nacional é leitura obrigatória para todos os interessados no tema.

 


GONÇALVES, M. A. Em terreno movediço.

Biografia e história na obra de Octávio Tarquínio de Sousa.

1. ed. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2009.

Nutrindo discreta e sincera empatia pelo ilustre historiador e muito segura das trilhas que abre, a autora convida o leitor a partilhar de suas reflexões e percorrer as mesmas etapas de sua detalhada e fascinante pesquisa sobre a obra e o tempo de Octávio Tarquínio de Sousa. E revela como, numa época marcada por fortes guinadas éticas, Tarquínio acabou concebendo procedimentos muito peculiares de associação da narrativa biográfica com a escrita da história.

 

 

ROCHA, Helenice (Org.) ; MAGALHAES, M. S. (Org.) ; REZNIK, L. (Org.)

A história na escola: autores, livros e impressos.

Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

Resultado de pesquisas desenvolvidas pelo grupo Oficinas de história, os textos aqui reunidos analisam autores e livros de história adotados em salas de aula em diferentes épocas e enfoques, tratam da diversidade de leitores e usos dos livros didáticos e refletem sobre as representações de índios e negros nessas obras.

Uma oportunidade de refletir sobre o saber escolar, entendido como uma construção histórica, ou seja, um produto de seu tempo, que guarda muito do contexto em que foi elaborado.

 

 

 

ROCHA, Helenice (Org.); GONTIJO, R. (Org.); MAGALHAES, M. S. (Org.)

A escrita da história escolar: memória e historiografia. 1a. ed.

Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

Os autores aqui reunidos estudam tanto a história que foi destinada à escola como a história construída na própria escola. Na confluência das experiências do ofício do historiador e do professor de história abrem-se novas possibilidades para o debate historiográfico.

Invertendo análises tradicionais, a aula de história é lida como um texto, o professor é também autor. E o leitor, não mais um mero receptador, se apropria do que lê: todos movimentando e inventando novos significados para a escrita da história.



 

MONTEIRO, Ana Maria Ferreira da Costa. Professores de História:

 Entre Saberes e práticas. Rio de Janeiro: Ed. Mauad X, 2007.

Aqueles que decidam seguir pelas páginas instigantes deste Professores de História: entre saberes e práticas vai encontrar a prática cotidiana de quatro professores de história, em turmas e espaços escolares diferenciados, visitada por alguém que possui experiência docente no próprio campo da história.

Lidando de forma criativa com um refinado referencial teórico, Ana Maria Monteiro possibilita a cada um de nós compreender como as histórias que contamos a nossos alunos não são a simples reprodução das histórias contidas nos textos consagrados, e sim a expressão de uma permanente e sempre renovada tradução, feita a partir de saberes constituídos por meio da experiência docente e escolar, mas também alimentada por outras sabedorias forjados nas múltiplas experiências vividas, como professores e como cidadãos.

 

 

MAGALHÃES, Marcelo de Souza (orgs). Ensino de História:MONTEIRO, Ana Maria Ferreira da Costa; GASPARELLO, Arlette Medeiros;

Ensino de história: sujeitos, saberes e práticas. Rio de Janeiro: Ed. Mauad X: FAPERJ, 2007.

O ensino de História se insere, no momento atual, em diversas problemáticas educacionais e historiográficas em meio ao processo de inclusão social que tem exigido redefinições de conteúdos históricos e de métodos possíveis de se articularem aos novos meios de comunicação com os quais as atuais gerações têm sido formadas e informadas. As universidades encarregadas da produção historiográfica e da formação docente, as decisões do poder estatal e do setor privado, o mercado da indústria cultural, assim como professores, têm obrigatoriamente de ser objeto de reflexão e de estudos articulados para a maior compreensão sobre a história escolar e sua contribuição para a formação de alunos provenientes de diversas condições econômicas e culturais.

MONTEIRO, A.M. F.C. ; GABRIEL,C.T.; BOMFIM,M. Narrativas do Rio de Janeiro nas aulas de História. Rio de Janeiro: MAUAD X/FAPERJ, 2016.

GONÇALVES,N.G.; MONTEIRO, A. M. F.C.  Docentes  e ensino de História: os porquês dos saberes e práticas em questão nos periódicos brasileiros. IN: FERREIRA, C.A.L.; MOLINA,A.H.(Orgs.) Por textos e contextos: os caminhos do ensino de História. Curitiba(PR):CRV Editora, 2016.

MONTEIRO, A.M.F.C.; RALEJO,A.S.; AMORIM,M. de O.  Entre o vivido e o narrado.: sentidos de Rio de Janeiro nas aulas de História. GABRIEL,C.T.; MONTEIRO,A.M.F.C.; BOMFIM,M. Narrativas do Rio de Janeiro nas aulas de História. Rio de Janeiro: MAUAD X/ FAPERJ, 2016. 

MONTEIRO, A. M. F.C.  Aulas de História: questões do/no tempo presente. Educar em Revista. Curitiba,Brasil,n.58,p.165-182,out-dez 2015.

MONTEIRO, A. M. F. C.; AMORIM, M.de O. Potencialidades das “narrativas de si” em narrativas da história escolar. Revista História Hoje. São Paulo, Brasil, v.4, n.8,p.15-31, jul-dez 2015.

MONTEIRO, A. M. F.C. Perspectivas do conhecimento histórico no Ensino Médio. IN:ZAMBONI,E.;GALZERANI,M.C.B.; PACIEVITCH,C. (Orgs.) Memória, Sensibilidades e Saberes. Campinas(SP):Editora Alínea,  2015. (394-408) 

MONTEIRO, A. M. F.C.; GABRIEL,C.T.; COSTA, W. da; ARAUJO,C.M.  de (Orgs.) Pesquisa no ensino de história: entre apostas políticas e desafios epistemológicos. MAUAD X/FAPERJ,2014;

MONTEIRO, A. M. F.C.; RALEJO,A.S.; CICARINO,V. “Brasil: uma história dinâmica IN: MONTEIRO, A. M. F.C.; GABRIEL,C.T.; COSTA, W. da; ARAUJO,C.M.  de (Orgs.) Pesquisa no ensino de história: entre apostas políticas e desafios epistemológicos. MAUADX/FAPERJ,2014.(189-208)

FERREIRA,M.S.; GABRIEL,C.T.; MONTEIRO, A. M. F.C. Sentidos de currículo e ensino de  Biologia e História: deslocando fronteiras na formação docente. IN:GABRIEL,C.T.; MORAES,L.M.S. (Orgs.) Currículo e conhecimento: diferentes perspectivas teóricas e abordagens metodológicas. Petrópolis (RJ):DP et Alii, 2014 (81-100); 

 MONTEIRO, A. M. F.C. Formação de professores: entre demandas e projetos. Revista História hoje. São Paulo, Brasil, v.2, n.3, p.19-41, jan-jun 2013;

AZEVEDO,P.B.; MONTEIRO, A. M. F.C. A sala de aula e a produção de sentido em práticas de letramento. Praxis Educativa. Ponta Grossa (PR), Brasil, v.8,n.2, jul-dez.2013 (p. 559-580).

PEREIRA, A. A.; MONTEIRO, A. M. F.C. (Orgs.)Ensino de História e culturas afro-brasileiras e indígenas. 1. ed. Rio de Janeiro: Pallas Editora, 2013. v. 1. 355p;

MONTEIRO, A. M. F.C. Livros didáticos de história para o ensino médio e as orientações oficiais: processos de recontextualização e didatização  IN: GALZERANI, M. C. B. ; BUENO, J.B.G.; PINTO JUNIOR, A. (Ogs.) Paisagens da pesquisa contemporânea sobre o livro didático de história. Jundiaí:Paco Editorial; Campinas: centro de memória:UNICAMP,2013.(209-22)

 

ABREU, Martha; SOIHET, Rachel (orgs.). Ensino de história:

conceitos, temáticas e metodologia. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

 

Os capítulos do livro Ensino de História, Conceitos, temáticas e metodologia

tratam das possibilidades da pesquisa histórica em sua articulação com

o ensino. O livro Ensino de história é divididos em quatro partes – identidade,

cultura, cidadania e gênero -, e apresentam discussões conceituais, a análise

dos Parâmetros Curriculares Nacionais e algumas atividades pedagógicas

ligadas aos conceitos-chaves em História e a atuação dos professores dessa disciplina.

 

Conheça quem são os pesquisadores do Grupo de Pesquisa Oficinas de História

Be Sociable, Share!