logotipo

Conheça aqui os projetos criados, elaborados e desenvolvidos pelos componentes do Grupo Oficinas de História com apoio de agências de fomento à pesquisa.

Caixa de História: conhecer e criar

Título: Caixa de História: conhecer e criar
Coordenador/responsável: Helenice Rocha
2010-2011 – Apoio: Edital Apoio á Melhoria da Qualidade do Ensino nas Escolas Públicas do Rio deJaneiro da Faperj)

Este projeto trata da produção, do conhecimento e do uso na escola de uma tecnologia educacional denominada Caixa de História. A Caixa de é resultado de pesquisa e da criação de atividades didáticas por um grupo de professores da UERJ – FFP vinculados ao Laboratório de História de São Gonçalo e ao Grupo de Pesquisa Oficinas de História.

Até este momento foram produzidas a Caixa de História de São Gonçalo e a de Magé e estão em elaboração a de Itaboraí e a de Niterói. Esse conjunto de caixas vem sendo produzido com o apoio do MEC, da Faperj e outras agências de fomento. Ela foi aprovada como tecnologia educacional para o Guia de Tecnologias Educacionais do MEC em 2008. Tal material se constitui de atividades impressas organizadas em torno de tipos documentais que funcionam como janelas para tempos passados da história local e um manual de orientações ao professor do Ensino Básico sobre as atividades e suas possibilidades de realização, no qual ainda está presente uma narrativa sucinta sobre a cidade que é objeto da caixa. Pretende contribuir para uma reflexão acerca da formação de identidades e sobre o patrimônio material e imaterial da cidade. A caixa pode ser usada nas aulas de História de diferentes séries do ensino fundamental, em diálogo com os temas e conteúdos curriculares.

O projeto Caixa de Historia conhecer e criar tem os objetivos de contribuir para o conhecimento, por parte dos professores, das potencialidades da Caixa em seu formato impresso; acompanhar e registrar seu uso em sala de aula; divulgar tais experiências na página do grupo de Pesquisa Oficinas de História e Laboratório de História de São Gonçalo; produzir uma versão virtual da caixa e de suas atividades com características adequadas à mídia e acompanhar seu uso na mesma escola ao longo do ano de 2011, também com registro no site.

Estarão envolvidos no projeto os professores autores das caixas, a equipe de direção e coordenação, bem como professores das séries iniciais e finais do Ensino Fundamental da Escola Municipal Anísio Teixeira e alunos da UERJ, Faculdade de Formação de Professores.

Para saber mais e acompanhar o desenvolvimento do projeto, visite: projetocaixadehistoria.blogspot.com.br.

Comentários

Ensino de História & Historiografia: Narrativas, saberes e práticas

Título: Projeto Ensino de História & Historiografia: Narrativas, saberes e práticas
Coordenador/responsável: Márcia de Almeida Gonçalves
2008-2010 – Financiamento: FAPERJ

O projeto buscou refletir sobre a produção, a circulação e o consumo dos discursos historiográficos produzidos para o público escolar, nas escolas e fora delas, em diferentes temporalidades e materialidades. As investigações orientaram-se em torno de dois eixos: o primeiro buscou historicizar e problematizar a elaboração e veiculação de materiais e recursos didáticos relacionados à disciplina escolar história, entre os quais destacam-se os livros didáticos e paradidáticos; o segundo pautou-se na reflexão sobre as condições e formas de realização do discurso historiográfico escolar, com ou sem a mediação de materiais, a partir de uma interlocução entre as áreas de História e Educação.

O projeto foi proposto, sob a coordenação da Professora Márcia de Almeida Gonçalves (UERJ), por oito pesquisadores, de três diferentes instituições (UERJ, UFRJ e PUC-Rio), vinculados ao Grupo de Pesquisa Oficinas de História, criado em 2004 e registrado no CNPq. As metas alcançadas no biênio foram: a) formação de mestres e doutores; b) ampliação de intercâmbios científicos dos membros do grupo, por meio da organização de um seminário nacional e de encontros permanentes com pesquisadores do campo e professores da Educação Básica; c) publicação de livros e artigos; d) construção de acervo de livros didáticos (atuais e antigos) e outros materiais pedagógicos; e) produção de material didático; f) alimentação do site do Grupo Oficinas de História e construção do site do Núcleo de Estudos de Currículos.

Comentários

Culturas políticas e usos do passado

Título: Culturas políticas e usos do passado: memória, historiografia e ensino da história
Coordenador/ responsável: Daniel Aarão Reis
2007-2009 – Apoio: PRONEX FAPERJ

Este Núcleo de Excelência foi o resultado do trabalho conjunto desenvolvido por pesquisadores do Programa de Pós associados, e cientistas sociais com os quais mantiveram intercâmbio acadêmico regular, articulados pela discussão sobre culturas políticas e usos do passado. O Projeto apresentado pelo Núcleo teve como cerne as relações entre a cultura política e os usos do passado, considerando que o conhecimento histórico construído sobre o passado tem na produção de memórias uma de suas fontes e também um de seus objetos privilegiados. Assim, o foco da discussão empreendida foi a problemática que envolve a cultura política, que tem a memória e a história como elementos constitutivos. Em função do interesse por tais temas, nasceu o Núcleo.

O Grupo de Pesquisa Oficinas de História participou deste Núcleo especialmente na realização de oficinas dirigidas aos professores de história que têm ocorrido a cada ano em algumas das universidades participantes do projeto: UFRJ, UFF, UERJ, e em universidades que disponibilizam seu espaço, como a UNIRIO e a UFRRJ.

Sua outra atuação foi a realização do 1º Seminário Nacional Ensino de História, Historiografia e Memória, ocorrido em 2008 na Universidade Federal Fluminense, que reuniu especialistas de diferentes partes do país para discutir as relações entre os diversos temas presentes no título. Os textos apresentados foram reunidos no livro A escrita da história escolar: memória e historiografia – veja Publicações.

Comentários

Livro didático: portador do discurso historiográfico

Título: O livro didático como portador de um discurso historiográfico
Coordenador/responsável: Magali Gouveia Engel
2004-2007 – Financiamento: CNPQ

 

Este projeto trabalhou com a pesquisa sobre o livro didático de História. Durante dois anos, nós e outros especialistas convidados, pesquisamos e discutimos questões relacionadas ao tema. O livro didático de História é entendido pelo grupo como portador de um discurso historiográfico. Isto é, longe de ser uma mera transposição didática dos conhecimentos produzidos no âmbito da academia, ele é um dos frutos do processo de interpelação, tensa, entre a escola e a academia.

Nesse processo de interpelação, o livro didático é o resultado da apropriação seletiva do conhecimento histórico para ser ensinado no espaço escolar.

Comentários

Maria Lima relata a experiência do PIBID na licenciatura em História da UFMS de Três Lagoas

“O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) é um programa da Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior – CAPES. Na UFMS temos um Programa Institucional, com um projeto que acopla subprojetos das diferentes áreas. O curso de licenciatura em História de Três Lagoas da UFMS é o único curso que faz parte do Programa com o subprojeto/História. A ênfase é na formação de um professor crítico, reflexivo, conhecedor da realidade escolar e preparado para o enfrentamento dos problemas cotidianos.

Um dos principais objetivos é, a partir de sua vivência no espaço escolar, bem como do estudo das questões específicas que envolvem o ensino de História, dar sentido à teoria que o aluno aprende na universidade, potencializando sua qualificação para a prática em sala de aula. Um dos efeitos do PIBID requeridos pela CAPES é a inspiração de mudança de concepção nos estágios obrigatórios, tornando-os efetivos espaços de preparação para o trabalho na escola. Na História, esse processo encontra-se em andamento a partir de diferentes ações. Um dos exemplos é que o PIBID encontra-se articulado ao projeto de extensão intitulado ‘Ensinando uma outra h(H)istória’, o qual tem como foco a formação dos professores em serviço. A este projeto encontram-se vinculados também acadêmicos que cursam a disciplina de Estágio Obrigatório em um novo formato, mais orgânico e que obedece alguns dos princípios aplicados ao PIBID.

Atualmente, o Programa conta com 10 (dez) estagiários e 1 (um) professor supervisor (docente da escola Dom Aquino Corrêa). Todo o grupo está sob a coordenação da profa. Dra. Maria Aparecida Lima dos Santos, docente do curso de História da UFMS/Três Lagoas.

O fato de o programa estar vinculado a CAPES é um passo importante rumo à melhoria da qualidade dos cursos de formação de professores no país. Segundo o site da CAPES, “a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) desempenha papel fundamental na expansão e consolidação da pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado) em todos os estados da Federação. Em 2007, passou também a atuar na formação de professores da educação básica ampliando o alcance de suas ações na formação de pessoal qualificado no Brasil e no exterior”.

Maiores informações podem ser obtidas no site http://www.pibid.ufms.br/

Maria Aparecida Lima dos Santos é pesquisadora do Grupo Oficinas de História.

Comentários
Página 2 de 212